Em causa de R$ 1 milhão, Flamengo pagará R$ 5 mil a Anderson Pico

FOTO: PEDRO MARTINS / AGÊNCIA ESTADO

Em tempos de austeridade financeira e fiscal, o Flamengo sofreu uma pequena derrota nos tribunais. Na noite desta quinta-feira (13), o Rubro-Negro foi condenado a pagar o valor de R$ 5 mil a Anderson Pico, ex-jogador do clube e atualmente no Kisvárda, do futebol húngaro. O valor da causa, de R$ 1 milhão, teve quase todos os pedidos do lateral-esquerdo negados.

A ação corre na 57ª Vara do Trabalho do Tribunal Regional do Trabalho da Primeira Região (TRT-1) desde 2017, e a sentença foi proferida pela juíza Flávia Alves Mendonça. O Flamengo arguiu “a prescrição total do direito de ação com relação ao contrato de trabalho estabelecido entre as partes no período 05/09/2014 a 31/12/2014, alegando que entre o término daquele e o ajuizamento da presente ação transcorreram mais de dois anos”. O Rubro-Negro sustentou “que por se tratar de atleta profissional, não há falar em unicidade contratual, apesar de ter sido firmado outro contrato entre as partes em 01/01/2015”.

O pedido do Flamengo foi acolhido em sua totalidade pela magistrada. No processo, Anderson Pico pediu a integração de valores recebidos a título de “bichos”, diferenças de direito de arena, adicional noturno, horas extras em período destinado a concentração, domingos e feriados, férias, diferenças de FGTS e multas. Porém todos foram negados. A única solicitação aceita obriga o Flamengo a pagar a “a integração da parcela direito de arena na base de cálculo das férias anuais remuneradas mais um terço, 13º salário e depósitos do FGTS”

Fonte: Coluna do Fla